segunda-feira, 12 de outubro de 2009

sobre certo Ícaro



um grego negreiro
um negro gregório
não regro meu reggae
meu traço simplório
aprecio reparos
se necessário
sem queira nem beira
e tampouco asas

a vida encaro
uma espécie de Ícaro
um tanto raro



12 comentários:

Marcelo Mayer disse...

de tanto raro, que tragou o sol

Muito FODA!

Katrina disse...

Raro ter asas de cera hoje, e raro ler algo assim

Simplesmente Outono disse...

Procurando leituras de conteúdo pelos blogs e cá estou.
Gostei!
Gostei muito!
Gostei demais!
Gostei tanto que será inevitável não voltar. Por que perder de vista algo tão gostoso de ser lido? Ficamos combinados assim: volto sempre que puder para continuar lendo-te, tudo bem?
Folhas secas pelo teu chão.
Eu, Simplesmente Outono.

Simplesmente Outono disse...

Terei que linká-lo.

Pedra do Sertão disse...

mas se não fossem "os Ícaros", os homens não saiam do chão...

Simplesmente Outono disse...

Voltei.
Costumo ser de palavra.
E registro minha presença.
Eu, Simplesmente Outono.

Simplesmente Outono disse...

E eu da tamanha gentileza timidamente contida nas entrelinhas.
Caberia agradecimento?
Deixo-te algumas folhas como registro mais uma vez de minha presença.
Eu, Simplesmente Outono.

Simplesmente Outono disse...

Agora, de fato, "linkados" estamos.

Maria Júlia Pontes disse...

navendo cheguei aqui e gostei muito.
Poema fantástico.

Renata de Aragão Lopes disse...

Letra de música!

Joe_Brazuca disse...

hiper-musical

asas de ìcaro em harpas...

muito bom seu blog !

abs

Nydia Bonetti disse...

Nossa... Tua poesia é muito boa! Vou te linkar no longitudes, OK. Abçs.