sábado, 4 de abril de 2009

sentinela


sinto
a tua falta
e o teu perfume

rondando
as minhas noites
vaga-lumes

9 comentários:

ana poeta. disse...

pressinto
o teu toque
e a tua voz

pulsando
simultaneamente
dentro de mim.

Beijos Poéticos.

Desculpe a ousadia, mas não resisti; é muito bom ler as suas “traversuras”.

Su disse...

e essas faltas que nos atordoam...

Y. disse...

Tio Múcio, te indiquei um prêmio.

Nuvem disse...

Indizível que estou e não querendo comentar esta composição franca e linda de uma forma menor, deixo um poema de um poeta acetinado:

A presença mais pura de José Tolentino de Mendonça


Nada do mundo mais próximo
mas aqueles a quem negamos a palavra
o amor, certas enfermidades, a presença mais pura
ouve o que diz a mulher vestida de sol
quando caminha no cimo das árvores
«a que distância da língua comum deixaste
o teu coração?»

a altura desesperada do azul
no teu retrato de adolescente há centenas de anos
a extinção dos lírios no jardim municipal
o mar desta baía em ruínas ou se quiseres
os sacos do supermercado que se expandem nas gavetas
as conversas ainda surpreendentemente escolares
soletradas em família
a fadiga da corrida domingueira pela mata
as senhas da lavandaria com um «não esquecer» fixado
o terror que temos
de certos encontros de acaso
porque deixamos de saber dos outros
coisas tão elementares
o próprio nome

ouve o que diz a mulher vestida de sol
quando caminha no cimo das árvores
«a que distância deixaste
o coração?»


carta na chuva, lágrima no poente :)

Rayanne disse...

Vagando as noites
Alumiando
Eu sigo a faltar
Te procurando...

Cadê tú, poetamado?

**Estrelas procuram**

Nadja disse...

Lindo poema!


Aliás,você sabe por que eu gosto de você?

Porque você tem poesia!


rsrsrs


e muita!


bjosss

Paco disse...

incrível.

Cynthia Lopes disse...

Linda a tua Sentinela! Muito bom Múcio...simples, direto e apaixonado.
bj

Du disse...

Gostei do teu jeito de criar poesia! :)

Beijos!