domingo, 3 de junho de 2007

passarela


ela passa
toda tarde
na minha janela,
basta um olhar
e lá está ela,
tão breve, tão bela.
e ao passar, ela,
tudo que passa
ultrapassa,
o que é pedra
na minha janela,
quer ser vidraça
quando ela passa,
tão breve, tão bela,
e até o céu
se enche de graça,
arco-íris, aquarela,
quando ela passa,
colorindo a tela
das minhas tardes
de apelos ao vento
e estupor,
quando ela passa
e nem imagina
que passa tão bem
a minha dor.


foto: hugo amador.

13 comentários:

fabio jardim disse...

cara, eu odeio babação de ovo, mas você vem logo depois de leminski.

Pedro Paulo Pan disse...

, que ela sempre passe levando a dor. ou melhor, que ela chegue e cure a dor...
, agradecido pelas palavras.
, abraços meus.

Octávio Roggiero Neto disse...

ela passa e nos leva de nós. aquarela que nos entorna tardes coloridas no olhar.
belíssimo, Múcio!

açucar união disse...

hehe, muito bom!!!

Tina disse...

Oie!

Adoro amor assim, vivido assim, curtido assim... Lindo!

Adoro te ler.

beijos querido,

Márcia(clarinha) disse...

meu carinho procê
beijos

paulo vigu disse...

Em tardes de apelo ao vento, fica o poeta na janela e um sol posto lá fora ... É quando ela passa. Riodaqui aí - Paulo Vigu

Nuvem disse...

Oxi!
Thi sempre mandando uns poemas seus pra mim.
Amo todos!
São belissimos...

Tem uns q parecem ser pra mim!
Hahahah

Já virei sua fã, querido.

xêirooo

Ps.: adorei esse q vc escreveu nos meus comentarios!
haha

Mto bom!

Lisardo Lopes Gonzalez disse...

Bem que o Fábio me falou que escrevias bem.

Valéria disse...

se ela
leva
a
dor
que passe

beijoseubobo

Luzzsh disse...

Sei bem como é isso...é muita alegria pra pouca janela....rs....

;)

Beijos, moço lindo!!!
Saudades...sempre e tanta.

diovvani mendonça disse...

Ela sempre passará...
Ela é pássara.

Antônio Alves disse...

Gostei das aliterações. Os fios que se entralaçam deixam o poema muito musical. A dor é um combustível importante para o pulsar da vida.

Abraços!