terça-feira, 7 de julho de 2009

florada



a madrugada
passou
fazendo todo sentido,
pontualmente e muda,
assim
como tudo o que passa
despercebido.

dos
olhos para dentro,
meu coração batido,
com sua artilharia
de saudades
fiel a todas as dores;
maquina.

até
que a minha boca,
louca comandante
mastigadora de cores
autoriza o ataque
das dez mil

rajadas de flores.


vestígios dumas madrugadas que vêm fazendo poraqui. sinto que com o tempo, dona Dolores vai virando mais amiga.

10 comentários:

Ercilia disse...

Meu querido! Saudades das tuas letras... Estou em débito com você e comigo mesma. Já devia ter compro o primeiro livro e agora você me lança o segundo... Mas vou providenciar isso logo, logo. Beijos mil!!!

Rayanne disse...

Sinto
tanto
falta
Até.
Agora
Procuro
Rastro
E não
encontro
Pé.

Onde, poetamado?

As estrelas crescentes.


***Amor muito***

Monique Frebell disse...

Quem não gosta de ser bombardeada por uma rajada dessas???

Rs*
Muito bom!

=)

Katrina disse...

queria que a madrugada fosse eterna

Paulo Viggu disse...

Vejo a artilharia de saudades e a boca mastigadora de cores adentrando o jardim. Abraço, irmão, em belo texto. Paulo Viggu

Tucha disse...

No meio de tantos poemas apenas razoáveis, sua florada com suas rajadas de flores me encantou

Tina disse...

Oi Múcio!

É sempre delicioso passar por aqui, sempre. Muito bom te ler.

beijos querido,

Renata (impermeável a) disse...

belo poema....


poema tem destascoisas...
fazer a imaginaçao voar em rajadas de flores...

cheiro de rosas?

Renata de Aragão Lopes disse...

A madrugada
pontual e muda.
Gostei disso!
Um abraço,
doce de lira

Rayanne disse...

Love you all
Meu raio se sol.


**Estrelas**