sábado, 25 de outubro de 2008

derramo em ramos


vejo finos metais
vis artefatos
fazendo uso das minhas artérias
intrusos
cortando o meu barato
vasculhando proteínas
debaixo de minhas retinas
assim como quem não quer nada
como se não doessem
suas furadas
e invasores me sugam
me sangram
sem parcimônia
degustam-me o sangue
e depois devolvem
sem cerimônia
sem beijo na boca
abraço apertado
nem ‘me liga’
enfim
logo mais
teremos outra sessão
de sexo ruim

em pleno sábado solar
eu de olhos no teto
e costas pra o mar
foto: hugo amador.

12 comentários:

Ramon Alcântara disse...

Divino! Adorei. Perfeita a poesia!


Parabéns!

Abzz

Carol disse...

Adorei a poesia!!!!

Parabéns....

rafita disse...

tão lindo, ridículo :*

Rayanne disse...

Vc é tão absoluto nos sentidos.
Tira poesia e contraria,
Tudo o que ousa sensação ruim.

Você é muito, prá esse mundo pouco.

Amo tanto.

Seu bonito. Poetamado. Poetasempre.

**As estrelas são tuas**

Delia disse...

Sou sua fã.

Tina disse...

Oi Múcio!

Delícia! Quem me dera fosse assim, simples assim... Nunca é. (mas versos teus são sempre lindos, tá?)

beijos querido,

Cynthia Lopes disse...

Múcio apesar da dor, a poesia. Meu querido parabéns pelos lindos versos...

Alex Pinheiro disse...

Putz!
Foda

...

Abraços e... invenções!

* hemisfério norte disse...

venho aqui deixar um forte abraço directamente de Portugal, para ti
-
q tudo corra bem
-
com carinho
ana

Rayanne disse...

Meus caminho sempre insistem aqui,
Insistem em ti.

É que a saudade passa longas horas,
olhos nos olhos,
a suspirar,
o abraço que ainda hei de entregar.

Amosempre.

**Estrelas**

ped ro disse...

'eu de olhos no teto
e costas pra o mar'

filho da mãe

Valéria disse...

"cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é..."
bom é, mesmo nem sendo tão bacana...poder estar de costas para o mar...
beijo moço bunito